Ápio Vinagre

Diáspora

Bom dia, a Bênção, Mukuiu.

Nossa música de hoje tem o DNA do encontro musical mais produtivo dos últimos 10 anos. A junção dos talentos de Marisa Monte, Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes, formando Os Tribalistas brindou-nos com pérolas musicais de grande beleza e que instigam o pensamento crítico.

Arnaldo Antunes compôs “Diáspora” em 2017, sendo a música integrada ao repertório do segundo disco do grupo. Arnaldo é responsável pela interpretação de dois trechos de poemas, do século XIX: na abertura ele declama trecho de “O Guesa” do escritor maranhense Joaquim de Souza Andrade, “Sousândrade” e na parte intermediária da canção nos brinda com um dos trechos mais densos de “Vozes D’África”, de Castro Alves.

A alusão aos nossos ancestrais sequestrados de África e escravizados na Terra Brasillis dialoga com o drama dos refugiados em diversos lugares do mundo cotidiano.

O termo diáspora (em grego clássico: διασπορά, “dispersão”) define o deslocamento, normalmente forçado ou incentivado, de grandes massas populacionais originárias de uma zona determinada para várias áreas de acolhimento distintas. 

Está é, para mim, a música mais emblemática deste trabalho da banda. Nos leva a refletir sobre como estamos interagindo com a realidade não apenas local. Os dramas das rupturas forçadas pela escravidão na diáspora Africana, que lamentavelmente ainda tem seus reflexos nos dias de hoje neste Brasil de falsa “democracia racial, dialoga de forma direta com as rupturas que ocorrem hoje em várias partes do planeta e que não podem ter em nós apenas o papel de expectadores.

Que a nossa consciência possa nos alcançar de forma plena, nos levando a nos compreender como seres do mundo, não apenas para usufruir da beleza de assim o sermos, mas também para lutar para que todos e todas tenham acesso pleno a todos os direitos.

Que os ventos de Bamburucema e a justiça de Nzazi nos alcancem de forma plena, nos dando sabedoria e capacidade de lutar por um mundo justo e igual.

Convido cada um (a) de vocês para o ensaio do Furacão da Alegria, Bloco Afro Bankoma, hoje as 20 horas no Largo de Pedro Arcanjo, no Pelourinho. É mais um ensaio aberto preparatório para o carnaval do nosso bloco em Salvador. 🎶🎶”…Vem se balançar na Praça, que o Bankoma é bom, o Bankoma é massa…”🎶🎶

Otima quarta galera.

“… Acalmou a tormenta
Pereceram
Os que a estes mares ontem se arriscaram
E vivem os que por um amor tremeram
E dos céus os destinos esperaram

Atravessamos o mar Egeu
O barco cheio de fariseus
Como os cubanos, sírios, ciganos
Como romanos sem Coliseu
Atravessamos pro outro lado
No Rio Vermelho do mar sagrado
Os Center shoppings superlotados
De retirantes refugiados

You, where are you?
Where are you?
Where are you?

Onde está
Meu irmão
Sem Irmã
O meu filho sem pai
Minha mãe
Sem avó
Dando a mão pra ninguém
Sem lugar
Pra ficar
Os meninos sem paz
Onde estás
Meu senhor
Onde estás?
Onde estás?

Deus
Ó Deus onde estás
Que não respondes
Em que mundo
Em qu’estrela
Tu t’escondes
Embuçado nos céus
Há dois mil anos te mandei meu grito
Que embalde desde então corre o infinito
Onde estás, Senhor Deus

Atravessamos o mar Egeu
O barco cheio de fariseus
Como os cubanos, sírios, ciganos
Como romanos sem Coliseu
Atravessamos pro outro lado
No Rio Vermelho do mar sagrado
Os Center shoppings superlotados
De retirantes refugiados

You, where are you?
Where are you?
Where are you?
Where are you?
Where are you?

Onde está
Meu irmão
Sem Irmã
O meu filho sem pai
Minha mãe
Sem avó
Dando a mão pra ninguém
Sem lugar
Pra ficar
Os meninos sem paz
Onde estás
Meu senhor
Onde estás?
Onde estás?

Where are you?
Where are you?
Where are you?
Where are you?
Where are you?
Where are you?…”

Descrevendo a imagem para pessoas com deficiência visual e/ou com baixa visão:

Card na cor branca, no qual se vê um perfil de mulher jovem, negra, com cabelo Black Power, onde se lê em letras brancas: “… Respeito não tem cor, TEM consciência!…”

Vale a pena ler a análise formulada por Amanda Sales em “Ensaio crítico sobre a música Diáspora.” Confira!

http://antesdopontofinal.com.br/tribalistas/

Sobre o autor

Avatar

APIO VINAGRE NASCIMENTO

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto:
/* ]]> */