Armando Correa

A Força de um Objetivo na Vida

A vida sem objetivo é triste, incolor e nos leva a um estado de empobrecimento e inutilidade. São sensações como estas que incomodam as pessoas e as leva a viver momentos de frustração e, em alguns casos, à depressão.
Olhar para frente e não enxergar o horizonte claramente é arrasador, em virtude da descrença que se instala dentro de quem experimenta a falta de perspectiva.
 
A visão sobre o futuro é capaz de nos alimentar, quando nela encontramos um objetivo a ser atingido. Já, porém, o seu contrário, nos rouba as reservas de energia psicológica, e, ainda, o nosso maior combustível: a vontade. Compreendemos, então, que a motivação tem, como componente essencial, um ou mais objetivos que nos impulsionam a caminhar na sua direção.
 
Li uma empolgante descrição de um ex-detento, que ilustra bem a questão. Ele havia descoberto a sua grande paixão: a música. Contou que dois monitores lhe ensinaram a tocar violão, ou, em suas palavras “Mais do que isso: me ensinaram a ter um objetivo na vida”.
 
Ao sair da FEBEM, só pensava em duas coisas: estudar música e retribuir o que fizeram por mim. Neste caso, especialmente, aquilo que é desmotivador, com o aprisionamento, transforma-se em algo libertador a partir de um objetivo estabelecido. Da falta de perspectiva, a situação passou a pleno desejo, com vistas ao que o futuro poderia oferecer. Para a sorte deste preso, a ajuda alheia estava por perto e estendeu-lhe a mão, levando-o a aprender uma atividade que lhe fez nascer novamente, quando se descobriu apaixonado por algo que ainda não o havia tocado intimamente. A música tornou-se a sua razão de viver.
 
Em boa parte dos casos as pessoas não encontram os seus objetivos de vida e isto contribui para uma acomodação. Embora a tristeza tente provocar algum tipo de reação, crê-se que este destino é imutável. Com o tempo, as forças tendem a diminuir até que o hábito faz moradia permanente. Ainda que raro se acredite, na possibilidade de virar a mesa e transformar a vida digna de grandes motivações, deve-se tentar e lutar com as forças disponíveis e com aquelas que ainda nem foram descobertas – pouco se sabe sobre o potencial humano. Com pesar inicial, sofreguidão e até falta de coragem deve-se romper as grades invisíveis da descrença e buscar os motivos a serem perseguidos. Na frase do memorável ex-presidente dos Estados Unidos, John Kennedy, lê-se claramente: “O conformismo é carcereiro da liberdade e inimigo do crescimento”.
 
A escuridão desmotivadora é dissipada pela luz que os objetivos trazem a tiracolo. Descobre-se que a vida é maior e sobretudo melhor. Todavia, o preço é o esforço empregado para se encontrar um objetivo. É preciso se dedicar a esta busca com empenho e persistência. Você já descobriu o seu objetivo de vida?

Sobre o autor

Armando Correa de Siqueira Neto

Armando Correa de Siqueira Neto

Armando Correa de Siqueira Neto
CRP 06/69637
Psicólogo, consultor, conferencista e escritor.
Professor de Gestão de RH da Faculdade de Administração de Limeira/SP.
Professor de Pedagogia Empresarial pela Faculdade Maria Imaculada de Mogi Guaçu/SP
Mestrando em Liderança pela Unisa Business School.
e-Mail:
Colaborador do Jornal Portal de Lauro

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto:
/* ]]> */