Meio Ambiente

Lauro de Freitas lamenta a morte da biodiversidade, às margens do Rio Joanes

NeyBarbosa
Escrito por NeyBarbosa

É inaceitável a situação permanente da Represa Joanes I, no Bairro de Jambeiro, em Lauro de Freitas. Há mais de 20 anos, com as comportas fechadas, não cai água na calha do Rio.

Só quando chove muito, é que sai alguma água pelo sangradouro, na parte superior da barragem, por muito pouco tempo.

Esta barragem está a uns oito quilômetros da Praia de Buraquinho, portanto, abaixo dela, até a praia, o líquido que corre, na calha do Rio Joanes, é o Rio Ipitanga, que vem de Salvador, um esgoto a céu aberto.

Água de chuvas e o esgoto, de Lauro de Freitas, que também não tem saneamento, aumentam a invasão de poluição, tornando o cenário ainda mais insustentável.

A Oscip Rio Limpo, através de seu presidente, Sr. Fernando Broba, encaminhou comunicação ao Ministério Público de Lauro de Freitas, representando as Barragens Ipitanga e Joanes.

Em resposta, foi informado que vão dar um prazo de mais um ANO, para que a Embasa e o Inema, avaliem os danos causados ao meio ambiente, por conta das barragens, segurando toda a água dos rios, para comercialização.

A Embasa precisa reduzir o desperdício de água tratada, que dizem, já chega a 40%. Além de precisar estimular e promover o reuso de água, nas comunidades e encontrar outras fontes de suprimento da sua matéria-prima, para atender aos seus clientes, sem promover a morte dos rios Joanes e Ipitanga.

O crime é tão evidente, o que mais precisa ser apurado?

“Acreditamos sim no Ministério Público, o guardião da lei e defensor dos direitos fundamentais da sociedade.

Os Rios, Joanes, Ipitanga, Picuaia, Sapato, Goró e o Garapa, estão mortos (ou morrendo), e causando grandes riscos à saúde da população de Lauro de Freitas”, salientou a Rio Limpo.

(Fotos do Ipitanga, sob a ponte da Via Metropolitana, recém inaugurada)

É preciso uma cobrança mais enérgica, por parte das autoridades ligadas ao Meio Ambiente, Executivo e Legislativo, para que as comportas sejam abertas em tempo, urgente, minimizando os impactos já causados até o presente.

Confira na íntegra o ofício protocolado, pela OSCIP Rio Limpo, junto ao Ministério Público de Lauro de Freitas:

Reconsideração MP 1


Da Redação
Por: Fernando Borba – Oscip Rio Limpo
Fotos: Ricardo Andrade (Folha Popular)

Sobre o autor

NeyBarbosa

NeyBarbosa

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto:
/* ]]> */